ActionAid is a global movement of people working together to further human rights and defeat poverty for all.

ActionAid Moçambique com um desempenho de cerca de oitenta por cento em 2014

A ActionAid - AAMoz realizou, entre os dias 16 a 21 de Novembro de 2014, em Mulotane, na província de Maputo, a Reunião Anual Nacional de Coordenação Estratégica e de Parceiros - RANCEP, sob o lema: “Novos rumos da AAMoz: Programas Locais de Direitos e a Associação ActionAid Moçambique”, na qual foi avaliado o plano de actividades do ano 2014 e definido o plano de actividades para o ano 2015.

Falando durante a abertura da RANCEP 2014, o Director Executivo da Actionaid, Amade Sucá, sublinhou os resultados positivos alcançados pela organização no tocante ao cumprimento do plano de actividades executadas durante o ano de 2014.

“O estado da organização está bom, com desempenho em cerca de 80%, mas temos ainda grandes desafios, o contínuo declínio de fundos com impacto na nossa estrutura organizacional e nos programas, dificuldades de gestão programática e financeira de alguns dos parceiros estratégicos principalmente ao nível dos PLDs aliado ao fraco acompanhamento (treinamento em serviço, monitoria periódica) dos parceiros para melhor desempenho dos programas”, sublinhou Amade.

 Na sua intervenção, a Presidente do Conselho de Direcção da ActionAid Moçambique, Júlia Tivane Holm, desafiou aos participantes para que fossem mais objectivos e realísticos na definição do plano de actividades para 2015. Referiu-se também aos resultados positivos da AAMoz referentes a avaliação dos Top Ten Basics, ao nível da gestão financeira e sobre os resultados de auditoria interna internacional. Apontou ainda a angariação de fundos para a implementação do plano 2015 e o seu cometimento na procura de novos focos de financiamento como um dos grandes desafios, tanto para o Executivo como para os órgãos sociais da AAMoz.

 Por seu turno, o Director Executivo da ActionAid Internacional, Adriano Campolina, desafiou na sua intervenção a partilha externa dos impactos ou de resultados e engajamento da organização a nível Internacional. “Deve haver proporcionalidade do tempo alocado para planificação, produção de relatórios e angariação de fundos com o engajamento externo, a ActionAid deve apostar na juventude”.

Adriano referiu ainda que Moçambique tem capacidade para participar activamente em plataformas baseado na sua experiência, frisou Campolina.

Ainda na sua intervenção, Adriano Campolina apelou a ActionAid Moçambique para ampliar a sua base de angariação de fundos, necessidade de focalizar o programa e investir naquilo que sabe bem-fazer para dar mais visibilidade as acções a nível externo. 

 Refira-se que a RANCEP 2014 debruçou-se ainda dentre vários aspectos, a necessidade da documentação de casos de sucessos e sua respectiva partilha pelos parceiros e demais organizações, produção do plano operacional do plano anual, elaboração e implementação da estratégia de comunicação, operacionalização do sistema de gestão de conhecimento, a implementação das acções de advocacia à luz das campanhas “Justiça Fiscal” e “Não a usurpação de terras”, formulação da visão para os últimos 3 anos do plano estratégico – 2015 a 2017, publicação do livro da história da AAMoz “ActionAid Moçambique: promovendo direitos humanos e mudanças sociais para uma vida digna 1988 – 2013”, a finalização e aprovação do Planos Operacionais de Programas dos Direitos das Mulheres e Alternativas Económicas, como sendo as principais prioridades para o ano de 2015.